08
Abr 20

Décimo Quinto dia, décima quinta epata Grijó ao Porto com 23 kms

Faz hoje precisamente quinze dias que iniciei a caminhada em Lisboa. O dia está um pouco melhor que o de ontem não chove, mas a temperatura baixo um pouco.

São 9 horas e já estou atraso 30 minutos, vou direito ao Mosteiro de Grijó, sigo para uma rua que até passa despercebida que tão discreta que é de seu nome Rua do Casal de Baixo, até Sermonde.

Contorno o Parque Desportivo, sigo pela Rua das Silvinhas e outras tantas ruas que me vão levar até Perosinho, agora tenho que ir em direcção da igreja e cemitério.

Tenho pela frente a subida da Serra de Negrelos, nos meus apontamentos é a única subida do dia, após os cem metros mais inclinados do quilómetro de serra, chegou ao Campo de Futebol de Rechousa, agora tenho pela frente mais uns quilómetros até cruzar A29 pelo viaduto superior, passo pelo núcleo urbano e passo por debaixo da A1.

Vou tão embebido nos meus pensamentos que nem dou por chegar a Santo Ovídio e daqui ao Porto é sempre a descer, à entrada da Cidade para meu espanto vejo caras conhecidas à minha espera a Aurora Cunha, Paulo Rodrigues, Marco Silva, Paula Santos, Pedro Amorim e o Vitor Dias, fizeram companhia até ao Hotel Tuela.

Aproveitei o Paulo que é massagista e pedi-lhe para me fazer uma massagem, que nesta altura veio mesmo a calhar.

Fui jantar ao Santiago comer a bela Francesinha com uns fininhos.

Efeméride

Aurora Cunha

Natural de Barreiros, Guimarães, Ronfe, nasceu 31 de Maio de 1959, ex-atleta profissional portuguesa.

Notável atleta do F C Porto, clube no qual cumpriu a maior parte da sua carreira, Aurora Cunha destacou-se em provas de corta-mato, meio-fundo e fundo. Apesar de nunca ter conseguido uma medalha numa grande competição de atletismo, foi campeã mundial de estrada em três anos consecutivos — 1984, 1985 e 1986 — e venceu as maratonas de Paris (1988), Tóquio (1988), Chicago (1990) e Roterdão (1992), assim como a São Silvestre de São Paulo em 1988.

Abandonou a competição em 2000, período no qual já corria como individual e sem contrato com o Futebol Clube do Porto. Desde sempre uma apaixonada por desporto, Aurora Cunha cedo se destacou no atletismo. A sua carreira começou aos 15 anos de idade, no Juventude de Ronfe, clube da sua terra natal. Apesar duma breve passagem pelo Sporting, acabou por escolher o F C Porto, assumidamente o seu clube de coração.

1984 o ano de ouro para Aurora Cunha, com a estreia nos Jogos Olímpicos e medalha de ouro nos Campeonatos do Mundo de Estrada, a nível individual e medalha de prata a nível colectivo. Aurora Cunha conseguiria mesmo renovar o título de campeã do mundo de estrada, a nível individual, em 1985 e 1986, sendo esta última conseguida em Lisboa, perante 30 000 pessoas.

Nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, Aurora Cunha conseguiu o 6º lugar nos 3000 metros, naquele que foi o seu melhor resultado de sempre na maior prova desportiva mundial. A atleta portuguesa representou ainda Portugal em mais duas participações, em Seul 1988 e Barcelona 1992, mas foi obrigada a desistir durante as respectivas Maratonas. Em Barcelona sofreu mesmo uma insolação, que seria o prenúncio do final atribulado da sua carreira desportiva.

A 9 de Junho de 2005 foi feita Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

Aurora

 

publicado por TERTÚLIA DOS ULTRAS às 22:41

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Abril 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO