12
Abr 20

Décimo nono dia, décima nona epata Ponte de Lima a Rubiães com 22 kms

Domingo de Páscoa

Tenho que me fazer à estrada para tentar chegar a Rubiães pouco depois do meio-dia que será muito difícil, pelo caminho que é praticamente em serra e com muitas subidas, são 7 horas tenho previsto beber o café na Labruja.

Já havia luz do dia o sol queria nascer e já passava por cima da Ponte que me vai levar para o caminho da Oliveirinha, entre trilhos e azinhagas junto ao Rio Labrujo, da primeira vez que aqui passei chuvia muito e  até que se tinha de caminhar por cima do muro porque tudo era água.

Começo a subir um pouco vejo à minha frente duas pessoas ou melhor duas peregrinas, passo por elas digo. Bom dia! Elas respondem, e combinamos fazer aquela subida totalmente cheia de pedras que a torna muito técnica, se assim acontece algum acidente não estava-mos só.

Uma breve apresentação, digo-lhes que venho de Lisboa, a que elas respondem nós vimos do Porto.

Temos que estar atentos às indicações porque algumas não são evidentes, depois de 3 horas nestes trilhos de Serra chegamos à EN202, que neste dia apresente apresenta um grande trafego de carros ligeiros a constratar com os camiões que circulam durante a semana.

Passo por baixo do viaduto que atravessa A27 para entrar na EM522 e a partir daqui até à Casa do Guarda é uma duríssima subida, vencido este obsctáculos, tenho agora a perigosa descida só por causa das pedras, se for feita com cuidado não é nada do outro mundo, o piso do trilho é que não melhora nada.

Entretanto as minhas companheiras de ocasião ficam para trás, eu sigo com determinação e animado pelas recordações de ter já passado por estes trilhos, chego a azenhas de Cabanas, e a Agualonga pouco depois Rubiães e o Albergue.

Efemeride

Labruja. Terra do meu amigo Carlos Barbosa, que em 2008, que nos presenteou a mim, Herculano, Eugénio Barra, Recto com uma pequena festa à entrada da aldeia, que depois estendemos a mais amigos.

Foi uma vigairaria de renúncia da apresentação do arcediago de Labruja, da Sé de Braga, e anteriormente do arcediago do mesmo título da Sé de Tui. Aproveitou do foral de S. Martinho, dado por D. Manuel a 2 de Junho de 1515. É povoação muito antiga, e se não existia já no tempo dos Romanos, existia com toda a certeza no tempo dos Godos. A tradição faz remontar os seus primórdios ao século IX, afirmando ter tido origem num mosteiro beneditino, fundado por D. Hermóigio, bispo de Tui. O mosteiro veio a ser extinto em 1460. A freguesia ostenta considerável riqueza patrimonial, impondo-se, todavia, dois destaques: A Ponte do Arquinho e o Santuário do Senhor do Socorro.

rubiaes30

rubiaes511

 

publicado por TERTÚLIA DOS ULTRAS às 17:56

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Abril 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO